Meditar não é para mim! Ainda posso praticar mindfulness?

Práticas de Mindfulness

Há quase uma ligação direta que se faz quando se fala em Mindfulness, que é pensar que praticar Mindfulness é meditar.

Há uma certa verdade nesta crença, claro: onde há fumo, há fogo.

E também é verdade que Mindfulness e Meditação não são a mesma coisa e há diversos tipos de meditação. No Mindfulness, a meditação praticada é a da atenção plena e irei falar-te melhor sobre ela num outro artigo.

Aqui quero apenas dizer-te que o Mindfulness pode ser bem mais simples e fácil de praticar no dia-a-dia, e não é preciso que tenhas prática de meditação para poderes praticar Mindfulness.

Se esse é o teu caso e ainda por cima não queres ou não gostas de meditar, então sugiro que não comeces por aí.

Podemos falar em dois grandes tipos de prática de Mindfulness: Formal e Informal.

Prática Formal de Mindfulness

A prática formal de Mindfulness é onde entra a meditação formal. No Mindfulness, o objetivo da meditação é estar consciente de forma intencional e sem julgamento ao momento presente. Não é esvaziar a mente, nem relaxar. É treinar a mente para estar no presente. É a meditação da atenção plena, que tem como âncora principal a respiração. Mas voltaremos a este assunto em breve.

Desta forma, a prática formal desenrola-se num espaço e hora definida, numa postura que revele atenção e dignidade e pode consistir em meditações individuais ou em grupo, livres ou guiadas ou mesmo a participação em retiros, numa prática mais avançada.

Prática Informal de Mindfulness

Se estás a ler este artigo, calculo que a prática informal te possa parecer mais acessível, por não ser uma técnica com espaço, hora e postura definidas. A prática informal insere-se no dia-a-dia e pode ser realizada em qualquer tipo de situação, em atividades rotineiras – por exemplo, a tomar banho, a cozinhar, a vestir e até mesmo a conduzir.

A prática informal consiste apenas em prestar atenção de forma intencional à atividade rotineira que estiveres a praticar. Quando praticas, desligas o modo mental de “piloto automático” ou “mindless” e ficas no momento presente, a prestar atenção a todos os pormenores e sensações que estão envolvidas nestas atividades. Quando estás a praticar, poderás notar a quantidade de vezes que a tua mente “foge” do que estás a fazer e vai para acontecimentos passados, futuros, preocupações, planeamentos, julgamentos, etc. Quando isso acontece, quando tens essa consciência, é quando podes ter a certeza que estás a praticar Mindfulness. Porque essa é a natureza da mente, e por isso é que é tão importante praticares, para poderes estar cada vez mais tempo no momento presente, que é, afinal de contas, o único que tens para viver. Sempre.

No artigo Mindfulness? O que é que eu ganho com isso?  deixei-te um desafio que é uma das práticas informais de Mindfulness: Desligar o piloto automático. Deixo-te agora algumas outras sugestões de práticas informais de Mindfulness, que podes começar a fazer, por exemplo, aqui e agora. Vamos lá?

 

Exemplos de Práticas Informais de Mindfulness:

– Desligar o piloto automático: foi o desafio que te deixei no artigo anterior (Mindfulness? O que é que eu ganho com isso?). Escolhe uma atividade rotineira e quando a estiveres a executar presta atenção aos seus pormenores e sensações que te provoca. Sempre que a tua mente fugir, volta a direcionar a atenção para o que estás a fazer no momento.

– Mudança de hábitos: escolhe uma rotina que tens e muda-a. Por exemplo, se costumas ir tomar café sempre ao mesmo sítio, vai a outro. Ou muda o percurso que costumas fazer para o trabalho. Ou o lugar a que te sentas à mesa. Ou outro que notes que é um hábito, que já fazes em “piloto automático”.

– Ativar os 5 sentidos: escolhe um momento qualquer do teu dia e presta atenção ao que estás a ver (cores, sombras, objetos, pessoas, etc.). Fica aí um minuto, só a sentir a visão. Passa depois para a audição e fica um minuto a ouvir os sons (perto, longe, etc). Vai depois para o paladar e fica a sentir o sabor do mesmo. Foca-te agora no olfacto e nota os cheiros que sentes. Finalmente, passa a tua atenção para o tacto e sente as várias sensações de toque presentes no teu corpo agora, a partir dos elementos que estão a contactar a tua pele (temperatura do ar, sensação dos tecidos das roupas que tens vestidas ou das superfícies onde o teu corpo toca – chão, cadeira, etc.).

– Lembretes: Ficar mais consciente no dia-a-dia é também uma questão de compromisso. Escreve e afixa em locais visíveis pequenos lembretes com as tuas intenções e valores. Por exemplo, se costumas ter um momento de tensão com o teu filho quando este não quer ir para o banho, escreve qualquer coisa deste género “que eu possa hoje ser paciente com o meu filho na hora do banho”.

– Exercício da gratidão: O nosso cérebro está preparado para dar mais atenção a aspetos desagradáveis ou perigosos (o que faz todo o sentido numa perspetiva de evolução da espécie humana), desvalorizando os sinais positivos ou agradáveis. Então, escolhe um momento no teu dia para te dares conta de algo agradável que esteja a acontecer no momento e agradece, mesmo que seja sem falares, agradece em pensamento. Por exemplo, a roupa confortável e limpa que tens vestida, o sorriso do teu filho, etc. Por vezes, pode ser desafiante encontrar um aspeto positivo quando algo está a correr de forma indesejada – por exemplo, imagina que querias ir dar um passeio a pé e está a chover torrencialmente. Nessa situação podes agradecer o facto de estares abrigada, por exemplo. Ou de poderes sentir a chuva no teu corpo, caso te tenhas molhado.

– Estar numa fila que não avança: ora aqui está uma prática especialmente útil para quem enfrenta diariamente filas, seja no trânsito ou em serviços a que recorre. Quando isso acontecer, podes praticar Mindfulness, prestando atenção ao que estás a sentir por estar numa fila e a tendência de ação que tens. Por exemplo, sentes irritação? Pegas no telemóvel e começas a ver redes sociais? Fica um minuto com a irritação e não faças nada quanto a isso. Não te distraias do que estás a sentir, fica apenas com isso.

No próximo artigo desta secção vou falar-te das atitudes de Mindfulness que poderás praticar informalmente, a toda a hora! Tens dúvidas? Fala comigo!

Vai passando por cá. Vou falar-te mais sobre este e outros assuntos que te podem interessar.

Até breve, boa semana!

Newsletter M'BE

Subscreva já a nossa Newsletter e fique a par de todos os recursos e novidades M’BE.

    blank
    Fundadora M'BE Mindful Butterfly Effect
    Psicóloga Clínica | Terapeuta Sexual |Formadora | Facilitadora de
    Parentalidade Positiva e Consciente  
    www.mindfulbe.pt
    sonia.araujo@mindfulbe.pt

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *